Resenha: Como salvar uma vida - Sara Zarr


Jill MacSweeney só quer que tudo volte ao normal. Mas, desde que seu pai morreu, ela tem se isolado do namorado e das melhores amigas – de todo mundo que quer apoiá-la. E quando sua mãe decide adotar um bebê, parece que, de algum modo, está tentando substituir um membro perdido da família por um novo. Mandy Madison sabe o que é crescer sendo indesejável – foi criada por uma mãe que nunca pretendeu ter uma filha. Então, quando Mandy fica grávida, a única coisa de que ela tem certeza é que quer uma vida melhor para seu bebê. É difícil saber o que quer para si mesma. Será que ela vai encontrar alguém que se importe com ela? À medida que seus mundos se transformam, Jill e Mandy devem aprender a se desapegar e a se apegar, e que nada é tão fácil – ou tão difícil – quanto parece. Aclamada pela crítica, Sara Zarr mostra uma história tocante, contada a partir de duas perspectivas, sobre os muitos caminhos que podem nos conduzir a um lar.
Editora: iD
Ano: 2012
Edição: 1
Páginas: 312
Avaliação: 5


Em Como Salvar uma Vida conheceremos Jill, Mandy e Robin..
Jill e Robin estão passando pelo luto, uma perdeu o pai e outra o esposo! Alguém que amavam muito e cada uma está lhe dando com a situação a sua maneira.
Jill é filha de Robin, uma adolescente típica e que após a morte de seu pai se isolou dos amigos e tornou-se um tanto quanto amargurada!
Robin também está sofrendo muito a perda de seu esposo e companheiro e uma forma que encontrou de passar por isso é adotando uma criança, algo que ela e seu amado esposo já conversavam a respeito fazia um tempo. Ela tem a situação financeira estabilizada e quer dar amor a uma criança que precisa de um lar e de ser amada; afinal, em breve Jill estará saindo de casa já que está terminando o ensino médio!
E de outro lado conheceremos Mandy, uma jovem de apenas 18 anos que está grávida e após ver um anúncio de Robin, decide que a melhor coisa a fazer por seu bebê é dá-lo a alguém que poderá amá-lo e proporcionar-lhe um futuro.

Mandy é uma jovem que foi criada por uma mãe dura e muitas vezes até cruel, que não a queria, mas ficou com ela. Seu pai, ela não faz a menor ideia de quem seja. Mandy cresceu em um lar desestruturado, com uma mãe fria e que trocava constantemente de namorado, seus ensinamentos para sua filha não foram dos melhores e exemplos então, nem se fale! Mas mesmo assim Mandy é uma jovem forte e que sabe que precisa cuidar de si. Ela está muito confusa com relação ao seu bebê, pois não sabe se o mesmo foi fruto de uma noite de amor com alguém que conheceu e se apaixonou ou se foi fruto de abusos repetidos que sofreu por parte do namorado de sua mãe!

Essas três pessoas tem seus destinos ligados por fatalidades e escolhas.. Jill é contra essa adoção, pois a Mandy exige que seja algo aberto, sem advogados ou assistente social, enquanto Robin procura fazer tudo conforme Mandy quer, até mesmo recebê-la em sua casa até que o bebê nasça.. pois faltam poucas semanas. Na primeira consulta marcada por Robin, descobre-se que Mandy errou a data de parto, o sexo do bebê e isso desperta um desconforto ainda maior em Jill, que só espera o pior dessa situação e quer a todo custo proteger sua mãe! Com isso Jill pede ajuda a um amigo para investigar Mandy e essa ajuda acaba virando algo mais entre os dois, mesmo que Jill tenha reatado com seu namorado.. algo floresce dentro dela.. ou seja, se tudo estava confuso, fica ainda mais confuso com seu coração dividido!

A história é cativante, emocionante e muito bem escrita e descrita!
Eu devorei as páginas de Como Salvar uma Vida e me vi pedindo por mais quando cheguei ao final! Amei a forma como tudo se desenrolou, e como realmente o destino nos surpreende e nos coloca na vida uns dos outros e isso muitas vezes é definitivo e salva o outro de se perder para sempre..
Estou apaixonada verdadeiramente pela escrita da autora, foi um dos melhores presentes de Natal que minha amiga Rafa poderia ter me dado!
#xonei 

4 comentários

  1. uma historia simples e q nos dias de hoje nao e dificil de acontecer! acho incrivel a decisao tomada pela Mandy, pois, na minha opiniao, ela tomou a decisao certa, ate pq muitas garotas nos nossos dias acabariam abortando a criança, por, provavelmente, ser fruto de um aborto!
    gostei da historia :)

    ResponderExcluir
  2. O triste q a historia do livro é perfeitamente plausível, quantas vezes eu ja não vi relatos de mães relapsas q trocam a companhia dos filhos por namorados.
    Sem falar na parte da gravidez na adolescência, complicado demais... :/

    ResponderExcluir
  3. Oi Karini, só este título me faz ter vontade de ler o livro. Deve mesmo ser emocionante,
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Voce despertou a minha curiosidade com relação ao livro!! Não conheço essa autora, mas agora estou muito a fim de conhecer!!!
    O tema do livro é bem o que acontece no nosso cotidiano, acho que todos nós conhecemos algum caso assim, infelizmente!!!
    Parabens pela resenha!!!

    Bjssssssssssssss

    ResponderExcluir