Resenha: Vulgo Grace - Margaret Atwood

Editora: Rocco
Páginas: 496
Ano: 2017
Gênero: Literatura Estrangeira / Romance 
Onde Comprar: Amazon 

*Acervo Pessoal

Sinopse: Depois de O conto da aia, que deu origem à prestigiada série The handmaid’s tale e alcançou o status de bestseller mais de 30 anos após a publicação original, outro romance de Margaret Atwood vai ganhar as telas, desta vez pela Netflix, e volta às prateleiras com nova capa pela Rocco. Inspirado num caso real, Vulgo Grace conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão e a governanta da casa onde trabalhava, na Toronto do século XIX. Com uma narrativa repleta de sutilezas que revelam um pouco da personalidade e do passado da personagem, estimulando o leitor a formar sua própria opinião sobre ela, Atwood guarda as respostas definitivas para o fim. Afinal, o que teria levado Grace Marks a cometer o crime? Ou será que ela estaria sendo vitima de uma injustiça?


Hoje vim falar de uma autora que em termos de leitura foi novidade, foi meu primeiro contato com Margaret Atwood e fiquei boquiaberta no quanto ela possui técnica, personalidade e desenvoltura capaz de fazer o impossível com um enredo e mais ainda, deixar o leitor perplexo com as possibilidades!

Essa leitura realizei recentemente e foi relançado pela Editora Rocco; foi uma leitura a nível de interesse particular e não parceria. Bom, como eu disse não conhecia a escrita da autora, apesar de já ter escuto muito a respeito dela, e fiquei grata e feliz por ter tido a curiosidade de ler esse livro.

Em Vulgo Grace temos uma história que tem início em 1846 com Grace Marks de dezesseis anos sendo acusada de assassinato junto com outro funcionário (James MacDermott) de uma casa na qual trabalha como empregada. Foi um assassinato duplo, pois morreram ali seu patrão Thomas Kinnear e Nancy Montgomery, que também trabalhava na casa como governanta e era amante do patrão - solteiro sem herdeiros e visto como um patrão generoso. 

Ambos os acusados são presos e enquanto James encontra a morte, Grace é um mistério e apesar de estar presa é como um ícone misterioso para a sociedade. Pois ela demonstra uma inocência e inteligência que confunde qualquer leitor ou pessoa. Inclusive existe um comitê na cidade dispostos a inocentar Grace provando sua inocência. Na busca pela verdade, chamam um médico chamado Simon Jordan, ele é psiquiatra por assim dizer, especializado na mente humana e aparentemente capaz de inocentar ou culpar Grace. 

As dúvidas em torno da culpa ou inocência de Grace é por ela não combinar o depoimento com James, ele foi declarado culpado, enquanto ela parece não se lembrar de lacunas importantes e conduzir o leitor a crer que algo de muito estranho ocorreu. Alguém está mentindo.. Ou simplesmente ela seria aquelas pessoas que cometem um ato perturbador e a mente apaga tal fato, pois não aceita ou vivência um trauma imenso?


Bom, Margaret Atwood não nos diz nada de forma clara ou de maneira rápida e clássica. Ela desenvolve a trama de forma que a todo instante culpamos e inocentamos  Grace, nos deixa boquiabertos ao final e refletindo sobre uma das coisas que considero muito interessantes que é a mente humana! Fiquei que nem esse gift acima! kkk

As perguntas que permeiam o enredo são: Grace é culpada? Ela é doente? Ela tem ciência dos atos ao qual foi condenada? Apesar das declarações muitos acreditam na sua inocência e ela mesma nos mostra uma perspectiva diferente sobre todos os fatos conforme sua análise com o Dr. Simon vai ocorrendo.. E poderia essa busca pela verdade culminar em ainda mais sofrimento e terror ou é simples e a verdade está logo ali?

Atwood não tem uma maneira simples de contar a história, e isso é completamente intrigante, ela dá margem para entrarmos na mente do personagem e pensar junto com ele.. Dá margem para interpretarmos situações e descobrirmos estar enganados depois ou certos.. 

Essa foi uma das leituras mais incríveis do gênero que eu fiz!

8 comentários

  1. Nossa amei! Parece um livro que deixar o leitor completamente envolvido com a história

    ResponderExcluir
  2. Amo assistir uma sériezinha ou um filminho na Netflix...
    Vou procurar ver quando lançar.

    ResponderExcluir
  3. Oi Karini!
    Creio que o sucesso de “Vulgo Grace” seja por mostrar aquilo que foi (ou podemos dizer, ainda é) realidade, os fatos narrados além de ser de uma história real, são colocados para mexer com o leitor, e pelo que li do livro foi exatamente isso que aconteceu. Deve ser interessante ler os capítulos narrados por Grace e tentar entender um pouco do que ela passou e o que a levou a cometer o crime.. Gostei da resenha, cita tudo o que a história contém de relevante, e nos faz desejar ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eu não sei porque eu ainda não li esse livro da Margarete é toda eu estou com um livro O Conto da aia na Minha estante para ler mas ainda não finalizei a leitura e esse livro eu assisti adaptação que foi feita para Netflix e simplesmente Fiquei vidrada em cada episódio E se o livro for tão bom quanto a série eu realmente preciso ler ele

    ResponderExcluir
  5. Fiquei conhecendo a autora Margaret e seus livros através da Série The Handmaid´s Tale, que, com o Oscar, ficou bem conhecida! Comecei a assistir e gostei bastante, porém ainda não terminei! Já deu para perceber que esse livro(e os personagens dele) vão me enganar diversas vezes! Haha, estou pronta para ser ludibriada! Só estou na dúvida, se já assisto logo essa minissérie ou se espero para ler o livro(que sei que vai demorar muitooo)!

    ResponderExcluir
  6. O mais legal dessa leitura, e que vamos desvendando junto com o médico, que eu acredito ser um psicologo o que realmente aconteceu, e se a personagem e culpada por este assassinato brutal. Além de que vem trazendo a mente humana de uma forma complexa, mas ao mesmo tempo envolvente e intrigante. Quero muito este livro, pois acredito que sera uma leitura agradável.

    Venha participar do sorteio de um kit da caixinha da TAG Livros http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Quando vi o pôster de Alias Grace na Netflix fiquei bem interessada porque a atriz que faz a Grace também fez 11.22.63 e eu gostei do trabalho dela. Quero até ler Vulgo Grace e espero gostar bastante, mas em algumas resenhas vi que pode ser que algumas coisas podem me incomodar um pouco se abordadas de forma muito forçada. Mas pelo o que eu vi você gostou muito e foi uma leitura ótima. A Grace é uma personagem que carrega um mistério enorme, então acho que deve ser incrível ir se surpreendendo durante a leitura e criando teorias.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu já vi esse livro mas nunca parei para ler, a historia me pareceu bem interessante. Um mistério e suspense envolvo da trama é bem interessante.

    Tempos Literários

    ResponderExcluir