Resenha: As Crianças Esquecidas de Hitler - A Verdadeira História do Programa Lebensborn - Ingrid Von Oelhafen & Tim Tate

Editora: Contexto
Páginas: 240
Ano: 2017
Gênero: História

* Recebido em parceria com a editora
Sinopse - As garras do nazismo foram tão profundas, amplas e duradouras que ainda hoje nos surpreendemos com detalhes dos seus horrores. O programa Lebensborn, criado por Heinrich Himmler, foi responsável pelo rapto de nada menos que meio milhão de crianças por toda a Europa. Esperava-se que, depois de passar por um processo de “germanização”, elas se tornassem a geração seguinte da “raça superior” ariana. Foi assim que Erika Matko tornou-se Ingrid von Oelhafen. Com um texto que remete aos bons livros de suspense, acompanhamos Ingrid desvendando seu passado – e toda a dimensão monstruosa do programa Lebensborn e sua consequência na vida de tantos inocentes. Embora os nazistas tenham destruído muitos registros, Ingrid descobriu documentos raros sobre o programa, incluindo depoimentos do julgamento de Nuremberg.

"As crianças esquecidas de Hitler" é uma obra arrebatadora por causa de sua veracidade. A Humanidade teve muitos momentos vergonhosos, onde atrocidades foram cometidas de forma desmedida e um desses momentos foi o período do nazismo.
Hitler tinha em sua ensandecida mente a ideia da criação da "raça pura" e por muitos e muitos anos ouvimos e lemos relatos sobre extermínios, campos de concentração e tortura com aqueles que ele considerada impuros. Mas para compor uma raça pura, seria necessário ter indivíduos com as características desejadas. E como ele conseguiria isso? Foi aí que surgiu o Programa Lebensborn.
"Enquanto as mães esperavam do lado de fora, os oficiais nazistas começar a faz um exame básico das crianças. Munidos de pranchetas e formulários, eles anotavam cuidadosamente as características físicas e faciais de cada uma delas. As anotações não diziam respeito a "exames médicos" no sentido comum, mas sim a avaliações grosseiras de "valor racial" baseadas em quatro categorias... quem se enquadrava em seus rígidos critérios era colocado nas categorias 1 e 2: em termos formais, isso significavam que tinham o potencial para serem incluídas na população do Reich". (p. 16)
O Programa Lebensborn (traduzido como Fonte da Vida) foi um programa de reprodução forçada. Isso mesmo. Os Nazistas procuravam mulheres com características arianas e sendo casadas ou não, deveriam engravidar para perpetuar a "raça pura". 
"As melhores crianças, atribuídas às duas primeiras categorias, seriam entregues, no momento certo, a um projeto secreto liderado pelo próprio Reichsfuhrer (literalmente, "chefe supremo" da SS). O projeto se chamava Lebensorn e entre as crianças entregues aos cuidados estava uma bebezinha de 9 meses chamada Erika Matko". (p. 19)
Erika Matko é uma das autoras do livro, a Ingrid Von Oelhafen. A autora, tentando descobrir sua própria origem, passou décadas realizando pesquisas e acabou reunindo material para esse livro, que irá deixar o leitor chocado com suas descobertas.
Com 20 capítulos (contando o Prefácio e o Epílogo) somos levados a uma jornada a um passado sombrio, onde as crianças perdiam a sua identidade e eram obrigadas a crescer rapidamente sob um governo guiado com sangue nas mãos.
"Toda esta história é permeada de sangue. Sangue de rapazes derramado nos campos de batalha; sangue de civis - velhos e jovens, homens e mulheres - que escorreu na sarjeta de cidades, em vilas e aldeias pela Europa; sangue de milhões de pessoas dizimadas nos pogroms e campos de extermínio do Holocausto". (p. 09)

Nenhum comentário