Resenha: Dear Heart, Eu Odeio Você! - J. Sterling

Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Ano: 2017
Gênero: Ficção / Literatura Estrangeira / Romance 

Sinope: Jules era viciada em trabalho. Colocando sempre o amor em segundo plano, sua principal meta era construir uma carreira com sólida reputação. Cal Donovan era muito parecido. Ele havia traçado uma lista de objetivos para alcançar na vida, e nela só havia espaço para ascensão profissional. Mas um encontro ao acaso muda tudo. De repente, o amor não parece uma distração para atrapalhar seus planos. Como fazer um relacionamento dar certo quando a sua cara-metade mora a milhares de quilômetros de você? Como viver esse amor sem abandonar tudo o que construiu? Algumas vezes as nossas mentes elaboram planos, estabelecem metas, perseguem sonhos. E algumas vezes os nossos corações ignoram as nossas mentes e decidem apostar no amor.






“Dear Heart” é um livro que fala sobre dois protagonistas que estão focados em suas carreiras e não estão interessados em relacionamentos sérios no momento. Jules é uma corretora de imóveis de 27 anos de idade na Califórnia. Seus clientes possuem gostos caros e ela dedica-se a encontrar a casa perfeita pelo preço alto a ser pago. É uma personagem forte, dedicada e decidida a crescer no trabalho. É inteligente, engraçada e bonita e deixa claro desde o início que o trabalho está em primeiro lugar na sua vida. 


"Nem sempre nós podíamos escolher a quem amar. Às vezes, era um impulsivo irresistível que nos guiava, uma força gravitacional, algo que não podíamos ver nem controlar, mas que nos arrastava com força na direção de outra pessoa. Claro que nós podíamos tentar resistir. Mas no final o amor sempre vencia, porque não se tratava de uma luta justa. O amor tinha uma arma secreta, um instrumento de poder incomparável para usar contra nós - o nosso próprio coração." 


Jules participa de uma conferência de trabalho em Boston e no final de um dos longos dias de palestra vai a um bar com outras corretoras. É quando encontra Cal, um homem de 29 anos de idade com as mesmas ambições que a protagonista, só que na área de finanças. 

"Se o elevador fosse um campo minado, aquele quarto era o território onde acenávamos a bandeira branca de rendição. A batalha tinha acabado e nós dois éramos vencedores." 

Além da atração física imediata os dois percebem que tem muito em comum e decidem passar o maior tempo possível junto enquanto Jules se encontra em Boston. Acontece que isso só aumenta o interesse mútuo e os dois tentam lidar com a possibilidade de um relacionamento. Um relacionamento à distância. 


"Meu coração agora estava claramente destinado a querer. Estava destinado a sentir. Estava destinado a fazer mais do que apenas me manter viva. Ah, eu realmente tinha me esquecido de como era essa sensação." 


A história vai focar exatamente nessa “tentativa” do casal em ter um relacionamento à distância, quando ambos desejam prosperidade profissional. Agendas lotadas, compromissos inadiáveis, ciúmes e milhares de quilômetros entre eles são alguns dos problemas que Jules e Cal irão enfrentar e que o leitor terá a oportunidade de observar. 

Em vez de tratá-la como o maravilhoso presente do céu que era, eu a tratei como se fosse uma peça descartável, alguém que pudesse simplesmente deixar para lá e nunca mais lembrar da existência. Foi uma atitude imatura da minha parte, para dizer o mínimo." 

Apesar da ótima premissa e da relevância do tema, os protagonistas deixaram a desejar. Cal não é um personagem carismático e arrisco a dizer, não foi tão bem construído assim, o que dificulta a conexão com ele durante a leitura e Jules, em alguns momentos, é rasa e sem muita coesão. 


"O coração da gente fica em pedaços quando percebemos que os capítulos da nossa realidade se transformaram em lembranças. Todas as situações que eu havia acabado de viver com Cal, todo o tempo que nós passamos juntos, agora existiriam apenas na minha mente."

Um comentário

  1. Oi Karini

    eita, tava qrendo tanto ler o livro mas acho que deixarei p outra oportunidade
    hehehehehehe sei que devemos ter nossas proprias opiniões, mas é melhor ler algo q esteja com críticas boas né?! kkkkkkkkkkkkk


    Bjoooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir