Divulgação: Novidades da Delirium Editora




Sinopse - Memórias de Marta é o primeiro romance — alguns se referem à obra como ensaio de romance — de Júlia Lopes de Almeida, publicado em 1888, inicialmente em folhetim e posteriormente compilado em livro. Como o próprio título entrega, o livro, narrado em primeira pessoa, conta a história de Marta. A maior parte da trama desenvolve-se dentro de um cortiço, tendo como cenário principal a Capital do Império à época, o Rio de Janeiro. Quando criança, a protagonista perde o pai, e, com isso, a mãe, também chamada Marta, é forçada a trabalhar como engomadeira, para sustentá-las. O dinheiro recebido com esse serviço é pouco e obriga ambas a viverem em um cortiço. Marta sente a aversão pelo lugar, que é úmido, fétido, perto de um matadouro. Ela almeja sair do cortiço, pelo asco, pela ojeriza e para fugir da humilhação da pobreza, e isso será possível a partir do momento em que entra para a escola e conhece a sua professora, D. Aninha. O relato, que relembra sua sofrida trajetória e a busca por melhores condições de vida para ela e para sua mãe, é mais que uma procura por felicidade, carinho, realização de sonhos improváveis e aceitação de uma existência, às vezes tediosa, sem amor, riqueza ou luxo; é também a valorização da sua posição de independência e da capacidade feminina de superar desafios.

Para comprar, clique aqui




Sinopse - Poderia existir moralidade em se preocupar com vidas animais quando tantas humanas padeciam? Poderia existir sentido? Poderia existir um limite para a compaixão que se pode possuir? A resposta talvez não seja óbvia, porque a pergunta tampouco é. Uma jovem, solitária e amedrontada enfermeira. Um jovem, ferido e assustado pássaro. Um encontro que poderia carecer de significado, mas que acabou mudando vidas. A da ave. A de Maddison. E a de tantos animais que cruzaram seu caminho a partir de então. Este é o relato de uma mulher que se arriscou ao enxergar o invisível. É a confissão de uma mulher que ousou agir movida por suas próprias convicções. É a história de alguém que teve dúvidas, conquanto humana, mas que seguiu mesmo assim, pois é isso o que mulheres fazem. O drama de alguém que não salvou “apenas” animais. O drama de alguém que salvou vidas.


Para comprar, clique aqui





Sinopse - Celeste Dança sobre Covas Rasas é uma história ambientada num passado não tão distante. Fala sobre a vida de uma moça solitária e triste, confinada num casarão construído em meio a uma terra considerada amaldiçoada e assombrada pelos moradores locais. Numa certa noite, Celeste conhece Vicente, alguém que consegue, enfim, alcançar seu coração hostil e empedrado. Com o passar da história, a protagonista começa a perceber-se valiosa e importante, passando a ter coragem o bastante para enfrentar o que antes a amedrontava. O livro trata o romance e a morte de forma lúdica, metafórica e poética. Mas é no crescimento e amadurecimento emocional e espiritual de Celeste que existe a verdadeira magia da história. A protagonista percorre um caminho árduo de escolhas e incertezas no decorrer de sua trajetória, o que a faz evoluir drasticamente do começo até o final da narrativa.


Para comprar, clique aqui



Sinopse - Trinta anos é tempo demais para se esperar por um amor. É tempo bastante para se amadurecer. Mas será tempo suficiente para viver tudo o que se deseja? Tudo o que se tem direito? Será tempo suficiente quando seu próprio tempo não vale o tempo de uma vida inteira? Através de frases, crônicas e poesias, a autora apresenta um relato íntimo e quase confessional, que é ao mesmo tempo a história de uma e de milhares de mulheres. Elas, que quando em frente ao espelho refletem uma verdade invertida, oposta ao que olhos conservadores querem enxergar. A dureza das palavras não chega perto de alcançar a crueza da realidade. Ainda assim, carrega a sutileza que existe nas obviedades, abrindo espaço para uma reflexão indispensável. Mulheres trans existem, são objetos de preconceito. Mulheres trans resistem, precisam de respeito, dignidade, afeto e, acima de tudo, precisam parar de morrer como se a própria vida não fosse um direito.


Para comprar, clique aqui.

2 comentários

  1. Gostei bastante do artigo de hoje, sempre estou aqui acompanhando seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais aqui.

    Beijos 😘.

    Meu Blog: Dicas Fitnes

    ResponderExcluir
  2. Estou amando ler seus posts... vou até salvar em favoritos!


    Meu Blog: Samara Silva

    ResponderExcluir